Bancos públicos são responsáveis por 70% dos financiamentos da agricultura familiar

16 de junho de 2017

A agricultura familiar é a principal responsável pela comida que chega à mesa dos brasileiros. O setor corresponde a 70% da produção de alimentos no país e é financiado basicamente por bancos públicos, já que os privados quase não ofertam esse tipo de crédito.

 

 

Cerca de 70% do volume dos créditos concedidos aos pequenos agricultores vieram do Banco do Brasil e do Banco do Nordeste, que facilitam o acesso ao crédito por meio do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar).

 

Hoje, as taxas de juros da agricultura familiar financiadas por essas instituições variam de 2,5% a 5,5% ao ano. Sem os bancos públicos, esse percentual sobe para 70%, ou seja, a comida seria muito mais cara. Este tipo de financiamento contribui ainda para a manutenção de 12 milhões de empregos gerados pelo setor.

 

Em Mato Grosso do Sul, o Banco do Brasil é o responsável pelo FCO (Fundo Constitucional para Financiamento do Centro-Oeste), que este ano liberou R$ 2,3 bilhões para financiamentos para área rural e empresarial.

 

Este é um dos assuntos que serão debatidos durante a audiência pública “Em Defesa dos Bancos Públicos”, no dia 20 de junho, às 17h30, na Assembleia Legislativa. A discussão foi proposta pelo deputado estadual João Grandão e Sindicatos dos Bancários de Campo Grande-MS e Região e de Dourados-MS e Região.

 

O objetivo é conscientizar a população e a classe política sobre os impactos negativos da privatização de bancos públicos como Caixa Econômica, Banco do Brasil e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), responsáveis por financiar e gerir programas sociais, viabilizar políticas públicas e garantir investimentos em diversos setores produtivos.

 

Leia mais sobre os impactos e prejuízos da privatização dos bancos públicos na Cartilha “Em Defesa dos Bancos Públicos – Verdades e Mitos”.

 



Relacionadas